Faça o bem sem olhar a quem!

Daí você se pergunta:

– mas o que tem a ver essa frase com dança?

E eu te respondo:

– tudo!

Quantas vezes em todos esse anos no meio da dança escutei pessoas dizendo que ninguém as tira para dançar, ou, que não vão aos bailes porque ficam sentadas a noite toda em função de estarem começando algum ritmo e por esse motivo não possuem a coragem necessária para tirar uma dama ou acompanhar um cavalheiro em uma música.

Outro ponto comum descrito por iniciantes é a relativa vergonha de dançar com quem “sabe mais”, tendo o pensamento de que estão atrapalhando a diversão ou até mesmo fazendo tal pessoa perder o tempo com passos básicos e sem musicalidade.

Talvez esse fator seja de certa forma coerente, uma vez que as pessoas que hoje possuem um conhecimento mais elevado do ritmo em questão, se esquecem  que também tiveram as mesmas dificuldades no passado, também perderam a contagem, também perderam o ritmo, também não fizeram variações ou quebraram movimentos de forma exímia durante uma “parada” na música.

Nesses casos, a paciência sempre é bem vinda, afinal de contas precisamos de tempo para aprender qualquer coisa, e quando aprendemos, mesmo assim precisamos aprimorar.

A impressão que temos é de que parece ser um sacrifício dançar com quem está aprendendo, como se não fosse bom o suficiente gastar aqueles minutos de uma música fazendo somente passos básicos.

Aprenda que dançar bem não consiste em apenas saber fazer passos complexos, dançar bem vai muito mais além. Se adequar à dança do outro, girar o salão, ter noção de espaço, o cuidado com quem se está dançando, o respeito com o par, entre outros aspectos que poderia listar.

Mas o que de fato importa é se divertir! Independente do nível ou do tempo de dança, tempo em que se dança, para ser mais exato.

Talvez o medo de dançar com iniciantes seja de perder a oportunidade de colocar em prática tudo o que sabe, o que aprendeu ou não conseguir pegar todas as “viradas” que a música proporciona.

Posso responder simplesmente alegando que você não dançará apenas uma vez no mesmo baile.

Justamente esse ponto pode ser encarado como uma forma de se obter sensações diferentes com a dança, ter percepções distintas e de certa forma aprender a se adequar à novos pares obtendo o mesmo nível de divertimento durante a música.

Note que na última frase utilizei o termo aprender, ou seja, você que sabe mais também pode aprender dançando com iniciantes.

Então pense no seu caminho de aprendizado, de onde começou, dos seus medos e receios e não se permita perder a oportunidade de além de ter uma excelente dança básica também servir de exemplo para quem está começando.

Texto por: Cintia Fiaschi

Professores Cintia

2 thoughts on “Faça o bem sem olhar a quem!”

  1. Saber que existem pessoas no meio que pensam e agem assim é que me dá a coragem pra continuar tentando.
    A vontade de desistir sempre vem! A cada dificuldade ou frustração!
    Espero que a paixão sempre vença!
    Obrigada pelo texto.

  2. Texto completo. Não se faz necessário acrescentar mais nada. Em resumo o que Cintia Fiaschi diz é : Todas as vezes que dançamos, seja com um Champion ou com um iniciante, temos a possibilidade de aprender e apreender algo a mais. Parabéns Cintia Fiaschi!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *