Tag Archives: conceito dança

MISSÃO: POSSÍVEL – DIVIDINDO AS RESPONSABILIDADES DE LÍDER E SEGUIDOR

Escrito por: Rachel Cassandra – Link Original: Clique aqui  


“Líderes, sejam fortes! Tenha certeza que ela sabe o que você quer!” “Damas, não se antecipe! Apenas siga!” Todos nós já fomos iniciantes uma vez, sofrendo para entender o que significa assumir nosso papel na dança social. Felizmente, há uma consciência crescente no mundo da dança de que os papéis de gênero tradicionais não determinam nossos papéis de dança. Então, como podemos entender o que é liderar, se não significa “ser um homem”?O que significa seguir, se não entregar nossa vontade ao outro?

Cada tipo de dança tem sua peculiaridade, mas há alguns princípios que podem nos ajudar  a se mover como um com o mínimo de força e esforço. Entender seu papel como líder ou seguidor pode fazer uma grande diferença na simplificação da comunicação. E também, reconhece a responsabilidade do seu parceiro, suporte, respeito mútuo e apreciação.

  1. O ABRAÇO

Líderes: Escolham o abraço

Assim que duas pessoas concordam em dançar, é o líder que traz o seguidor para o abraço desejado. Na salsa ou bachata, isso pode significar abraço próximo, um abraço suave e fechado ou uma posição aberta (mãos dadas). Na kizomba isso significa onde colocar o braço e que pegada de mão vai usar. Enquanto a dança vai acontecendo, o líder também guia o seguidor através de outros abraços, seja para caminhar no calçadão, iniciar uma volta ou se mover para um mergulho, seja para uma caminhada, um giro ou uma queda.

Seguidores: Manter ou modificar o abraço

Seguidores moldam seu corpo para encaixar seu corpo no abraço proposto pelo líder, tenha certeza de manter tonos o suficiente nos seus corpos para ficar leve para o líder, mas relaxe o suficiente para a comunicação ser fácil. Se o líder está pedindo por algo que você como seguidor não se sente a vontade, cabe a você pedir para mudar o abraço, talvez você prefira não manter o aperto de mão tão alto, ou tem muita pressão sobre o seu braço ou você precisa de mais distância no centro. Existem maneiras verbais e não verbais de pedir por essa mudança – não culpe o líder por seu desconforto se você não está preparado para fazer algo a respeito.

 

  1. CONEXÃO

Líderes: Escolha o ponto de conexão

 

Para danças como West e Salsa, a relação entre os corpos estão em constante mudança, o ponto de conexão acaba sendo primariamente a mão. Bachata pode transitar da conexão no braço direito das costas , para o contato de mão esquerda com mão direita, ou até torso com costas

Seguidores: Tomem conta da sua conexão

É uma revelação que transformou minha dança, e eu vi isso “acender uma lampadazinha”  em vários outros seguidores. Seja aquele que mantém a conexão, que a ama e mantém, independentemente do que esteja acontecendo com o líder. Todo o bom seguidor em salsa e bachata sabe que quando o líder coloca sua mão ou seus braços em algum lugar, você tem que garantir que ele continue lá, disponível para o próximo movimento. E, manter seus dedos curvados e suas costas encaixadas ajuda você a se manter conectado mesmo em movimentos rápidos. No West Coast Swing ou tango, os seguidores empurram ligeiramente para o ponto de conexão. Na Kizomba os seguidores devem relaxar, apenas no limite da compressão para mover-se à medida que o líder se move. No momento em que há uma mudança, você está empenhado em combiná-lo. A fluidez e o fluxo vão para você.

 

  1. DIREÇÃO

Líderes: Decidindo a direção

Enquanto algumas danças têm opções mais restritas do que outras, sempre cabe ao líder mover-se para frente e para trás, para um lado ou para o outro, ou apenas ficar no local. Mesmo com danças como Zouk ou West Coast Swing, onde você tem um passo de partida bem estabelecido, ainda é a decisão do líder de usá-lo ou não. Independentemente do básico, líderes, vocês decidem a direção dos passos desde o início da dança e através de cada mudança que vem depois.

Seguidores: Esteja pronta para ir para qualquer direção, mas não antecipe

Com danças como tango ou kizomba, o próximo passo pode ser praticamente qualquer direção a qualquer momento. Cada passo pode ser variado ou interrompido, então os seguidores devem ser capazes de se equilibrar bem no pé que eles colocaram para se mover facilmente em qualquer direção que venha a seguir. Os seguidores da salsa ou da bachata podem ter uma sensação mais forte sobre o que está por vir, uma vez que há padrões que limitam as direções possíveis, mas a adivinhação nunca é seu aliado!

  1. PASSOS

Líderes: Determine a velocidade  tamanho do seu passo

Os líderes decidem, mas esse privilégio vem com responsabilidade! Cabe ao líder ouvir a música e criar movimentos ou usar combinações que sejam adequadas. Isso significa usar sincopados que fazem sentido, desacelerando conforme apropriado, e obtendo pelo menos algumas das batidas e pausas. Os líderes também conseguem escolher quão grande ou pequeno serão os passos; Espero que você leve em consideração o que será confortável, dado o ritmo da música e o comprimento das pernas do seu seguidor.

Seguidores: Balanceando e empoderando seus próprios passos

É certo que quanto mais distante você tiver do seu líder, mais liberdade você tem para variar o tamanho e a velocidade de seus próprios passos. Para as danças de abraço próximo como o tango e o kizomba, porém, a maior parte do tempo, o seguidor precisa combinar com o líder. Para alcançar o movimento fluido, você precisa ter um grande equilíbrio, então você está sempre pronto para o próximo passo, seja rápido ou lento, longo ou curto.

 

Em todas as danças, é importante que os seguidores façam seus próprios passos. Com isso quero dizer fornecer energia para se mover na direção dada pelo líder, na velocidade apropriada, em vez de esperar para ser empurrada ou puxada para cada passo individual. Manter uma certa quantidade de impulso ajuda a fluir a dança. Com danças que incluem rotações, também cabe aos seguidores girar em torno do eixo fornecido – não ser girado como uma manivela.

  1. TRABALHO DE CHÃO

Líderes: Mantenham seus seguidores a salvo

Se você dança em linha ou uma dança mais no lugar, certifique-se de estabelecê-lo claramente assim que você entrar na pista de dança. Não basta começar a dançar na parte mais acessível da pista, porque é provável que seja a mais cheia. Vá encontrar um local que seja gerenciável e faça seus passos um pouco menores se as coisas estiverem realmente congestionadas. Sempre mantenha um olho para as pessoas ao seu redor. Envie seu seguidor para um espaço livre e esteja pronto para mudar a combinação intermediária se alguém se mudar para o seu caminho. É uma boa idéia ter alguns pequenos movimentos na manga que permitirá que você mude a movimentação.

 

Para as danças que rodam o salão, escolha a faixa apropriada para seu nível ou velocidade. O círculo interno viaja mais rápido, então fique no lado de fora, se você vai demorar. Certifique-se de ter espaço antes de tentar uma vez. Se você gosta de se mover rapidamente, certifique-se de que ainda pode “frear” para evitar bater em outro casal.

Seguidores: Sejam perceptivas as pessoas em torno de você

Isto é particularmente importante para as danças em que os seguidores adicionam um estilo considerável com braços ou pernas.

Nunca esquecerei a vez em que sai dançando salsa e acabei com um salto de estilete de uma garota preso na minha coxa. (Nós todos tínhamos pelo menos um no pé, mas a coxa?!?) A dança da salsa também foi responsável pela única vez que eu já ouvi sobre um olho roxo. Claro, eu também tenho minha cota de “bater nas pessoas”, lançando um braço mal planejado. Quer se trate de estilo de braços na salsa, uma varredura de cabelo em zouk, um boleo em tango, um retrocesso em semba, ou mesmo quando você estende um membro muito além do seu centro, certifique-se de considerar o espaço. Às vezes você simplesmente tem que sacrificar a perfeição de sua visão criativa para o bem-estar de seus colegas dançarinos.

  1. ESTILIZANDO

Líderes: Não é só sobre você

Os líderes conseguem ser muito criativos na dança social. Orgulhar-se disso, e até mesmo mostrar um pouco, faz sentido. Não se esqueça de que seu seguidor também veio dançar. Aprecie o que seu seguidor tem para oferecer. Se você dança salsa ou bachata, espere e dê tempo para ele brilhar. No tango e kizomba, dê espaço aos seguidores para iniciar variações e enfeites.

Outro ponto para os líderes: eu ouvi alguns professores dizerem que os líderes devem ser o quadro para a pintura do seguidor. Penso em certas poses que servem como u uma boa analogia, mas não considere isso como sua filosofia de dança. Os líderes são mais do que as formas e a estruturas da dança. Adicione seu próprio estilo para uma qualidade de movimento que seu parceiro pode apreciar!

Seguidores: Também não é só sobre você.

Lembre-se, você concordou em seguir. Isso significa que você cedeu um número razoável de decisões criativas ao líder. A medida em que você pode improvisar depende da dança que você está fazendo, mas é sempre importante respeitar o papel de seu líder. É incrivelmente frustrante dançar com um seguidor que na verdade não está ouvindo o líder. Melhore as suas habilidades em seguir para que você possa ver facilmente o espaço que resta para sua própria expressão criativa. Mesmo em estreitas brincadeiras, há mais espaço para você brincar do que você pensa.

Para aqueles que mergulharam em submissão, tenha em mente que você ainda é a metade da dança! Não engula esse insensato patriarcal / machista sobre se mover inteiramente para os caprichos do líder. Você não é apenas uma boneca! (Mesmo que você ame boneca!) Enquanto você continuar seguindo, você pode adicionar e embelezar com o que sente em seu coração.

MISSÃO: Possível

“Sua missão, você deve optar por aceitá-lo …” Todo mundo pode decidir se dança sozinho ou com um parceiro, seja para liderar ou seguir. É certo que em alguns cenários você pode encontrar alguma resistência para ir contra as normas de gênero, mas os tempos estão mudando. Se você não gosta muito das responsabilidades que acompanham o papel que você fez, talvez tente o outro! Na minha experiência, mesmo uma pequena experiência no papel oposto ajuda você a entender melhor a dinâmica de liderança-seguidor da sua dança, além de ajudá-lo a respeitar o esforço que envolve cada papel.

Agora que você teve as responsabilidades de liderar e seguir esclarecido, considere o que você pode querer alterar na sua abordagem para suas danças sociais favoritas. Determinar quais as responsabilidades que você pode ter negligenciado e que podem fazer uma grande diferença. Concentre-se em melhorar esses pontos e confie no seu parceiro para lidar com o lado dele. Ah, e divirta-se!

 

FONTE:http://socialdancecommunity.com/mission-possible-dividing-the-responsibilities-of-leaders-and-followers/

TRADUZIDO E ADAPTADO POR: Marcel Souza.

O mito do “ser insuficiente”

“Um dia, espero falar o suficiente de árabe egípcio para visitar o Egito”

Isso não faz sentido, certo? Você não precisa ser fluente em árabe para visitar o Egito. Na verdade, os egípcios provavelmente ficariam agradavelmente surpresos se você tentasse “Olá” e “Obrigado”.

Quando se trata de linguagem, a proficiência nessa habilidade não é um requisito de participação. O mesmo vale para karaokê: ninguém espera que você seja um cantor incrível antes de poder desfrutar uma noite com seus amigos no bar de karaokê. Confie em mim, a habilidade definitivamente não é uma barreira para a entrada para karaokê!

Algumas atividades sociais têm uma expectativa mínima de proficiência, como andar de patins em linha. Se você não pode patinar com segurança e parar, não será muito divertido sair para patinar. Fazer trilhas: os amigos caminharão com você enquanto estiverem aptos e dispostos a lidar com a trilha. E tênis: seu parceiro precisa que você, pelo menos, possa retornar o saque.

E … dança social …

Requisitos de proficiência para dança social

A dança social é um tipo de jogo. Exige uma expectativa mínima de proficiência. Para jogar o jogo, os seus companheiros de brincadeira esperam que você:

  1. Conheça as regras do campo de jogo (etiqueta do salão de dança e segurança)
  2. Conheça as regras do jogo (habilidades básicas de fundação e mecânica)
  3. Seja flexível e adaptável
  4. Seja seguro e respeitoso (você sabe, regras humanas)

Honestamente, é isso. Enquanto você cumprir esses requisitos mínimos, você se qualifica para todos os benefícios da adesão que vem em se tornando um dançarino social.

Mas existe um mito comum de que os dançarinos mais novos assumem e tem dificuldade em deixar a ideia de lado, a ideia de que eles não são “bons o suficiente” para certos aspectos do mundo da dança.

Uma pequena minoria pode realmente sofrer de atelofobia (medo de não ser bom o bastante), mas eu acredito que a preocupação de sua habilidade atual atrapalhar a outra pessoa é algo bastante comum, e não uma condição permanente.

Os mais novos dançarinos frequentemente observam os “melhores dançarinos” aproveitando desses benefícios da “associação de dançarinos sociais” e inventam uma história que se opõe a esses mesmos benefícios. Aqui estão algumas ideias, para esclarecer sobre o que é permitido ter acesso a (desde que você atenda aos padrões mínimos).

Benefícios da associação de dança social

Convide qualquer pessoa a dançar, de qualquer nível

Esta é uma comunidade inclusiva, onde todos dançam com todos: todos os níveis, todos os gêneros, todas as idades. Westies orgulham-se ferozmente disso.

Dançar em todo o espectro é a melhor maneira de se tornar um dançarino autenticamente avançado. Independentemente dos pontos WSDC, você não pode se chamar de “avançado”, a menos que você possa elevar todos os parceiros no local!

Dançando com parceiros de níveis mais baixos que o seu você treina para lidar, adaptar e fazer limonada. E com dançarinos de nível superior do que o seu lhe dá uma sensação melhor de como os movimentos devem funcionar.

Mas se você apenas dança com dançarinos avançados, eles são tão bons em compensar que é fácil ter uma falsa sensação de proficiência, iludindo você sobre suas habilidades e necessidades reais.

Eu sei que muitos de vocês estão com a impressão de que os dançarinos avançados não querem dançar com você e você inventa desculpas para não pedir dançarinos avançados para dançar.

“Eu não vou poder continuar”. “Eu vou apenas aborrecê-los.” “Eles só vão me tolerar porque eles não poderão se divertir comigo.”

Desculpe, odeio estourar sua bolha, mas nada disso é factual. Qualquer dançarino avançado que valha a pena dançar com, sabe fazer todas as danças divertidas, nunca está entediado, e ao invés de esperar que você acompanhe, é bastante confortável usando estratégias de elevação. (Criar elementos com o seu parceiro de uma maneira que aumente suavemente seu nível, fazendo com que eles fiquem melhor do que eles pensaram que poderiam dançar.)

Então, sem desculpas, deixe de limitar-se a dançar com apenas dançarinos ao seu nível e abaixo. Vá, convide os dançarinos avançados.

Dance onde quiser na pista, a qualquer hora da noite

Mesmo que pareça que existe um “canto quente” onde muitos dançarinos avançados estão dançando, o espaço está aberto a todos os dançarinos. Você não precisa evitar a área. Apenas fique atento quando há dançarinos que estão fazendo truques ambiciosos, o que é mais comum nesta zona.

Na verdade, mesmo se você não está dançando, é uma boa ideia se sentar por uma ou duas músicas e assistir os dançarinos nesta zona. Inspire-se neles, mas também obtenha um pouco de conhecimento, observe para ver como eles lidam com erros, veja se você pode escolher as técnicas que o seu instrutor estava mencionando, ou veja se você pode pegar um novo footwork para tentar.

Os dançarinos avançados às vezes estão trabalhando em “tarefas” específicas quando vão dançar, então ocasionalmente eles recusam danças para gerenciar sua energia e foco. Às vezes, os dançarinos avançados podem obter “excesso de trabalho”, porque eles estão sendo muito exigentes.

Então, se você pedir a um dançarino avançado para dançar e eles recusam, dê-lhes o benefício da dúvida. Não é que você não seja digno de dançar com eles – eles só precisam de uma pausa.

Participe de rodas de dança, concursos divertidos e apresentações de dança.

A partir do momento em que você entra no espaço da dança, as pessoas estão entusiasmadas por você ser um potencial companheiro de brincadeira. Eles * querem * que você participe – eles querem que mais pessoas que amem dançar tanto quanto elas, porque cria uma cena mais divertida e gratificante para todos.

As atividades e os jogos oferecidos nas danças sociais são projetados para incluir, envolver e inspirar você. Eles não são exclusivos de um determinado grupo ou nível. Sinta-se livre para participar! Se você não tiver certeza, vá em frente e pergunte – ninguém nunca culpará você por perguntar, e você pode apenas obter o encorajamento que estava procurando.

Escolha aulas as quais você se qualifica, e repita aulas que você já fez.

Existem vários veículos instrucionais disponíveis para você, sendo o mais prolífico as aulas de grupos semanais. As aulas em grupo não visam apenas pessoas que são iniciantes apenas aprendendo.

Nem apenas pessoas que têm ambição: as aulas em grupo são a maneira como nós, como comunidade de WCS, transmitimos a dança, e se você se excluir, você está se retirando do jogo. As aulas em grupo não são sempre, mas geralmente, progressivas, o que significa que elas são classificadas por nível de habilidade.

Os melhores oferecem um programa transparente e objetivo que define os requisitos de habilidades para cada nível, mas se você não tiver certeza, fique à vontade para perguntar ao professor. Salvo indicação em contrário, todas as classes estão abertas e disponíveis para você.

Deixe-me dizer isso de outra forma. Comece com todas as aulas que puder! Uma dica super inteligente de dançarinos sábios que progrediram muito e rápido? Mesmo enquanto você faz aulas de nível superior, nunca pare de treinar seus fundamentos. Não só não há vergonha em receber as aulas para principiantes, mas você ganhará mais valor e mais respeito por isso.

Participe de eventos e workshops

Você pode ter ouvido falar de um mágico evento de dança acontecendo em sua cidade ou nas proximidades, e ignorou a ideia de ir, pensando que estava voltada para competições. Isso não é verdade.

Sim, existem competições, mas o foco principal do fim de semana é o aprendizado e a dança social em todos os níveis, o que significa que o evento está voltado para você. Muitas vezes há dezenas, se não, centenas de dançarinos mais novos, que dançam durante 6 dias a 6 meses.

Esses dançarinos geralmente compõem cerca de 25% do público de um evento, então muitas vezes existem workshops voltados especificamente para iniciantes / adeptos do evento pela primeira vez. Em geral, os eventos de fim de semana oferecidos definitivamente terão algo para você, mas se você não tiver certeza, pergunte ao redor. Não perca uma oportunidade que talvez não apareça por mais um ano!

Aprendendo qualquer papel, a qualquer hora

WCS é uma das danças a dois mais desenvolvidas socialmente, aceitando e incentivando qualquer gênero a dançar qualquer papel, liderar ou seguir. Não sinta que está preso no papel que escolheu quando começou.

É bastante comum que os dançarinos aprendam o papel oposto quando sentem que suas habilidades de papel originais se estabilizaram e estão prontas para um desafio. Aprender o papel oposto pode dar-lhe uma melhor compreensão da dança, o que pode aumentar o seu papel original.

Faça aulas particulares com os melhores professores que você puder pagar

Uma vez, uma dançarina me disse: “Eu quero muito fazer lições particulares de um campeão como você. Espero que algum dia em breve eu seja boa o suficiente.” Quando eu a questionei, ela explicou: “É como um bom vinho: quando você está aprendendo primeiro sobre o vinho, você ainda não desenvolveu uma paleta para apreciar as safras caras, então você não deveria perder seu dinheiro em algo que você ainda não sabe apreciar completamente.”

Ela parecia tão confiante em sua história, mas nada poderia estar mais longe da verdade. Como o árabe egípcio, a proficiência de habilidades não é um requisito para se qualificar para aulas particulares com professores de alta qualidade. Lições particulares são para cada um em cada nível, e quanto mais cedo você investir neles, mais rápido e melhor você aprenderá.

Sempre aproveite tantas oportunidades quanto possível para trabalhar com os melhores professores que você pode pagar (faça sua pesquisa, é claro). Não deixe que ninguém lhe diga que você não merece o tempo de um profissional ou que a boa aprendizagem de habilidades será desperdiçada para você. Não é como o vinho.

Uma anedota pessoal:


Anos antes de eu começar a WCS, estava preparando uma demonstração de dança de salão com meu pai para o casamento do meu primo. Eu nunca tinha feito aulas de dança, exceto para aprender esta coreografia com meu pai.

A professora estava nos ensinando um intervalo aberto de Cha-Cha, e estava perguntando porque eu nunca levantei meu braço ao lado para combinar com o do meu pai. Eu zombei e disse a ela: “Não seja boba, não vou fingir ser bom o suficiente para fazer um charme com o braço!”

Eu me recusei a levantar o braço e insisti em dançar toda a coreografia com meu braço livre colado no meu quadril , porque estava convencida de que não era boa o suficiente para ser digno de usá-lo. Você consegue comparar minha história com uma da sua?

Sobre rejeição e exclusão

Eu percebo que muitos desses mitos são difíceis de ignorar, porque isso corre o risco de rejeição. Eu não vou mentir e fingir que não há idiotas lá fora e exceções a essas regras gerais. Mas, há idiotas e exceções em todas as partes da vida, certo? WCS não é diferente. Então, aqui está o seu curso de ação:
1. Pegue meu conselho e pule na piscina.
2. Se você não tiver certeza ou tem problemas, pergunte a outros dançarinos sobre isso.
3. Talvez a rejeição não tenha nada a ver com você, então não se preocupe com isso.
4. Seja estóico – se alguém nega seu pedido, tome uma decisão de que a negação não significa que você não é digno. Pode haver outros significados, mas opte por evitar saltar para uma conclusão que está te desanimando. Eu tive que aconselhar vários alunos ao longo dos anos que me contaram sobre várias histórias de rejeição. Alguns deles são legítimos, mas muitas são situações simplesmente mal interpretadas. Certifique-se de dar às pessoas o benefício da dúvida antes de assumir que elas estão rejeitando / excluindo você.

  • Tenha em mente que algumas atividades no WCS realmente são de acesso restrito, o que você pode desenvolver no futuro. Eles exigem treinamento ou experiência adicional, mas podem não ser recomendados para você em seu nível atual:
    Dar feedback
    Coreografar
    Dips e lifts
    Níveis de competição Jack & Jill
    Oficinas focadas para outro nível
    Aulas progressivas
    Festas particulares
    Aprender a Ensinar
    Aprender a julgar
    Se tornar DJ

Notas para a vida!

Aqui estão alguns mantras que você pode precisar repetir em voz alta. Lembre-se, não há tal coisa como “precisar ser bom o suficiente para a dança social”.
EU SOU bom o suficiente para dançar com dançarinos mais avançados.
EU SOU bom o suficiente para dançar onde quer que, sempre que eu quiser.
EU SOU bom o suficiente para merecer aulas particulares dos meus profissionais preferidos.
EU SOU bom o suficiente para estar nesta aula, que é para pessoas do meu nível de dança.
EU SOU o suficiente para aprender qualquer papel que eu escolher.
EU SOU bom o suficiente para me inscrever para um fim de semana de dança.
EU SOU bom o suficiente para o charme do braço!
NUNCA SERIA bom o suficiente para dançar com QUALQUER UM.
NUNCA ESTOU bom o suficiente para trabalhar no meu básico.
NUNCA SERIA muito bom para fazer uma oficina.
NUNCA SERIA muito bom para comentários de colegas.
NUNCA SOU bom demais para se voluntariar na minha comunidade.
NUNCA SOU bom demais para fazer uma lição particular.

 

FONTE: https://blog.steezy.co/ted-talks-that-will-inspire-you-as-a-dancer/

TRADUZIDO E ADAPTADO POR: Marcel Souza & Nany Sene

5 TED TALKS PARA TE INSPIRAR COMO DANÇARINO

Está procurando algo para inspirar você como dançarino(a)?

Não procure mais! A TED oferece uma série de conversas interessantes e poderosas.

Esta lista de 5 TED Talks cobre alguns dos tópicos da criatividade e da confiança para a música e a resiliência.

Estes palestrantes irão encorajá-lo, fazer você rir e definitivamente inspirar você como dançarino(a).

ted-west

1. Uma história visual de dança social em 25 movimentos, Camille A. Brown

Descrição:

Por que dançamos? As danças sociais afro-americanas começaram como uma forma de os africanos escravizados manterem suas tradições culturais vivas e manter uma sensação de liberdade interior. A dança ainda é uma forma  de afirmação de identidade e independência. Nesta demonstração eletrizante, repleta de performances ao vivo, coreógrafa, educadora e a companheira da TED, Camille A. Brown, exploraremos o que acontece quando as comunidades se soltam e se expressam dançando juntas.

Como isso se relaciona a você:

As danças que você pratica, independente de onde vieram tem uma história por trás.É sempre importante você entender sua história.

No vídeo, Camille explica o significado dessas danças sociais no passado, e relaciona-as com o papel que desempenham agora.

Assista e escute – ele irá inspirar você como dançarino a cavar mais fundo em todos os seus movimentos.

Citação favorita:

 

O presente sempre contém o passado. E o passado forma quem somos, e quem seremos.

2. Processo criativo de uma coreógrafa em tempo real, Wayne McGregor

Descrição:

Todos usamos nosso corpo no dia a dia, e ainda assim poucos de nós pensam sobre a nossa fisicalidade do jeito que Wayne McGregor faz. Ele demonstra como um coreógrafo comunica idéias para um público, trabalhando com dois dançarinos para criar frases de dança, ao vivo e sem script, no palco TEDGlobal.

Como isso se relaciona a você:

Todos queremos ser bons em improviso e coreografia.

Mas choreographing, ou o que Wayne McGregor chama de “Pensamento físico”, pode ser assustador e vulnerável, então geralmente o fazemos em privacidade.

No entanto, esses dois dançarinos são desafiados a fazê-lo frente a uma audiência ao vivo.

A maneira como eles tomam suas idéias e se expressam com tanta honestidade – no local – irá inspirar você como dançarina a ser mais ousada com seu movimento.

Citação favorita:

 

(Ao praticar choreographing), Você pode descobrir coisas sobre sua própria assinatura corporal… para se mover mal lindamente.

3. Na era da internet, a dança evolui …, The LXD

Descrição:

A LXD (Legion of Extraordinary Dancers) eletrifica a fase TED2010 com uma cultura emergente de dança de rua global, acelerada pela internet. Em uma prévia da próxima série da Web de Jon Chu, essa surpreendente troupe mostra suas superpoderes.

Como isso se relaciona a você:

Em primeiro lugar, LXD nunca deixará de ser f… . Todos eles são impressionantes com talento incrível, inegavelmente.

Mas esta conversa é mais esclarecida pelo seu comentário social sobre a cultura da dança que é tão relevante – um fato mais interessante pelo fato de que isso foi publicado há 7 anos.

Citação favorita:

It is insane what dance is right now. Dance has never had a better friend than technology. Dancers have created a whole global laboratory online.

 

É uma loucura o que a dança é agora. A dança nunca teve um amigo melhor do que a tecnologia. Dançarinos criaram um laboratório global online.

4. Sucesso, falha e a tentativa de continuar criando, Elizabeth Gilbert

Descrição:

 

Elizabeth Gilbert já foi uma garçonete que não consegui ter livros publicados, devastada por cartas de rejeição. E, no entanto, na sequência do sucesso de ‘comer, rezar e amar’, ela se encontrou identificando fortemente com o seu eu anterior. Com uma ótima visão, Gilbert reflete sobre o motivo pelo qual o sucesso pode ser tão desorientador quanto o fracasso e oferece uma maneira simples – embora difícil -, independentemente dos resultados.

Como isso se relaciona a você:

Todos os criativos enfrentam a luta para serem criativos, permanecer criativos e renovar sua energia criativa.

Se você sente que suas habilidades e produtos não estão no seu próprio controle: coreografar, dançar, improvisar, qualquer coisa …

Então ouça esta conversa para ver como essa escritora se manteve inspirada através de uma fase difícil.

Ela irá inspirar você como um dançarino para continuar criando, mesmo que você sinta que não possui isso em você.

Citação favorita:

Eu acharia minha resolução sempre da mesma maneira, dizendo: não vou sair. Eu estou indo para casa. Você tem que entender que ir para casa não significava voltar para a fazenda da minha família.

Para mim, ir para casa significava retornar ao trabalho de escrever porque escrever era minha casa.

Porque adoro escrever mais do que odeio falhar ao escrever, o que é como dizer que adorei escrever mais do que amei meu próprio ego, o que é, em última instância, dizer que adorei escrever mais do que eu me amava. Foi assim que eu superei …

 

Sua casa é o que você quer que seja neste mundo,algo que você ama mais do que você … Sua casa é essa coisa a que você pode dedicar suas energias com uma devoção tão singular que os resultados finais tornam-se inconsequentes.

5. Como criar sua confiança criativa, David Kelley

Descrição:

Nosso local de trabalho dividido em “criativos” versus pessoas práticas? Ainda assim, David Kelley sugere, a criatividade não é o domínio de apenas alguns escolhidos. Contando histórias de sua lendária carreira de design e sua própria vida, ele oferece maneiras de ganhar a confiança para criar …

Como isso se relaciona a você:

Você, por alguma razão , se intitulou como não criativo?

Vários dançarinos  que começaram a dançar aprendendo a apenas reproduzir passos de outras pessoas têm dificuldade em se pensar como dançarinos criativos.

Mas a verdade é que ninguém nasce SEM criatividade.

Se você se sentir assustado por um processo … dizendo “Eu não sei improvisar”, ou “Não sei criar”, então você está rejeitando a possibilidade antes de tentar.

Assista a conversa de David para ver como é possível que alguém adote uma nova atitude ou habilidades criativas.

Citação favorita:

 

Precisamos que as pessoas percebam que são naturalmente criativas … e que deixem suas idéias voarem.

FONTE:https://blog.steezy.co/ted-talks-that-will-inspire-you-as-a-dancer/

TRADUZIDO E ADAPTADO POR: Marcel Souza.

Anchors Away! Aperfeiçoando o passo âncora do West Coast Swing

A âncora.

A âncora é uma das partes mais importantes do west coast swing. Não só cada movimento termina no passo âncora, mas a âncora também é responsável por boa parte do visual do WCS. Elasticidade, suavidade, o ritmo relaxado da dança: tudo isso está profundamente conectado com a âncora. Comece a praticar agora e descubra como aperfeiçoar o passo âncora no wcs pode te ajudar significativamente.

ancora

Melhorando sua âncora

Para um iniciante, existem dois elementos chaves para a âncora do wcs.

Primeiro: A âncora não se move. Daí o nome, “âncora.”

Segundo: A âncora se estende para longe de seu parceiro.

“Anchors away!” (termo em inglês para: Âncora que acaba de começar a colocar peso sobre a corda ou corrente pela qual ela está sendo levantada.)é uma boa frase para se manter em mente. A próxima dica vai te ajudar a praticar esses elementos.

A dica:

Sem um parceiro, se coloque em uma posição antes de ancorar. Para leaders (conduz), seu peso está no seu pé esquerdo; Followers(conduzido), seu peso está na direita. Esse pé não vai se mover durante o exercício. Nós vamos chamar esse pé de “não-âncora” por enquanto.

Pegue seu pé livre (leader direito, follower esquerdo) e o coloque em terceira posição (o calcanhar do pé da frente é alinhado com o peito do pé traseiro.), mas ainda não transfira o peso. Se deixar o seu pé pairar ligeiramente ao solo te ajudar, faça isso. Neste ponto, você está tentando sentir onde o pé está sem cair. Vamos chamar este pé de pé de âncora, porque sua âncora vai começar e terminar com o seu peso sobre este pé. Sem mover o seu pé não-âncora, faça um passo triplo (pé de âncora, pé não-âncora, pé de âncora). Mesmo que você esteja transferindo seu peso, concentre-se em manter o pé de âncora na terceira posição. Repita este processo até que você possa confortavelmente executar um passo triplo na posição correta do pé.

Dominar seu passo de âncora está ao seu alcance! Aguente firme!

Fonte: https://www.westcoastswingonline.com/mastering-the-anchor-step-in-west-coast-swing/
Traduzido por: Marcel Cortinovis.

 

Síndrome do Ego na Dança, e Como Se Manter Protegido

De um modo geral: quanto melhor um dançarino fica, maior seu ego se torna. Muitas vezes, a velocidade da expansão do ego supera seu crescimento real de dança. À medida que o ego cresce, é também um potencial efeito colateral que a velocidade do crescimento da dança diminua e que a pessoa se torne uma presença de dança tóxica.

Quem está em risco?

 

Todos os dançarinos estão em risco de desenvolver a Síndrome do Ego na Dança, mas você pode estar em um risco elevado se você cair em uma das seguintes categorias:

  • -Vêm dançando há mais de 1 ano;
  • -Não está mais fazendo aulas de dança;
  • -É popular entre dançarinos do oposto ou do mesmo sexo;
  • -É frequentemente elogiado por outros dançarinos;
  • -Tem um alto nível de ambição de dança;
  • -É considerado como aluno de aprendizado rápido, ou “naturalmente talentoso”;
  • -Conseguiu a maior parte das suas instruções através do YouTube ou de outros dispositivos de vídeo;
  • -É considerado fisicamente atraentes para os outros dançarinos em seu meio da dança.

Naturalmente, cair em uma categoria também não garante que um dançarino desenvolverá a SED, mas o dançarino deve prestar atenção a seu ego com cuidado.

Quais são os sintomas da síndrome do Ego da dança?

 

  • -Começar a ensinar antes de pronto, ou antes de ser treinado por um profissional;
  • -Ensinar e não manter o desenvolvimento profissional;
  • -Tendo aulas avançadas antes de pronto, e focando padrões sobre a técnica;
  • -Ser excessivamente crítico sobre outros dançarinos, e incapaz de aceitar a crítica construtiva sobre sua própria dança;
  • -Culpar os outros por uma “dança ruim” e / ou ser incapaz de se divertir com um dançarino de nível inferior;
  • -Sentimento de superioridade em um ambiente de aula;
  • -Não aproveitando as oportunidades para melhorar sua dança.

Ego na dança

Como um dançarino pode prevenir ou curar a síndrome do ego da dança?

 

Aproveitando todas as oportunidades para aprender!!

Nunca sinta que está “muito avançado” para uma aula básica, ou que você é tão competente que não terá nada a aprender em uma aula sobre segurança ou técnica. Esta é a chave para a estagnação na dança.

Recentemente, meu parceiro e eu ensinamos um Workshop de Segurança gratuito para nossa comunidade. Online, toda a comunidade estava prontamente compartilhando postando novamente e comentando que essa foi uma grande iniciativa, e tivemos uma grande participação.

Mas … faltaram algumas pessoas da comunidade que falavam muito sobre o workshop on-line mas acabaram não indo, e eram quem mais precisava ter ido. Muitos daqueles que sentiram que sua dança não era “arriscada”, de fato, se enquadram em alguns dos comportamentos que estávamos tentando corrigir. Mantendo o ego em cheque e aproveitando as oportunidades de aprendizagem, você só pode crescer.

Ao se concentrar em sua própria aprendizagem em sala de aula, ao invés do nível de outros dançarinos.

Ouvi falar e, ocasionalmente, vi dançarinos que estão muito mais preocupados com todos os outros na turma do que com eles próprios. Quando você faz essa crítica dos outros, você diminui seu próprio aprendizado. Se seu parceiro é ruim, trabalhe sobre como você pode compensar o movimento. Se eles são muito rápidos, trabalhe em seguir mesmo que o seu parceiro esteja fora do tempo. Desta forma, você só vai crescer, e seu ego vai reconhecer que, concentrando-se em sua própria aprendizagem, você pode ver os buracos em sua própria dança e manter todas as crises de superioridade florescente sob controle.

Por honestamente avaliar e pedir feedback  de profissionais sobre o seu nível de dança real.

Dançarinos sociais são ótimos, mas ao menos que estejam em nível de professor para sentir como você realmente dança, eles provavelmente não são os mais qualificados para dar feedback. Mesmo que cada dançarino social lhe diga que sua dança é incrível, há provavelmente ainda pontos de melhoria. Procure o seu feedback de um profissional, que está em condições de lhe dar feedback honesto sobre o seu progresso. É muito tentador ouvir todos os “você é incrível” e ignorar o “isso ainda não está certo”, mas fazendo isso você está se sabotando e desenvolvendo um ego irreal.

Ao reconhecer as áreas nas quais precisam se concentrar mais para a melhoria (particularmente conexão).

Não é fácil tomar crítica e aceitar as áreas de dança que você precisa para trabalhar, mas é uma maneira infalível de manter seu ego em cheque. Se alguém lhe dá feedback (especialmente um profissional), salvo certas exceções, você deve reconhecer que pode haver algo lá.

Orgulho-me na minha capacidade de emocionar e performar, mas também ocasionalmente tenho recebido feedback especificamente em relação à falta de clareza em apresentações dramáticas. Seria muito fácil de escrever isso como “oh, bem, eles simplesmente não entendem” … mas por baixo, se eles “simplesmente não entendem”, eu não fiz meu trabalho tão bem como eu deveria ter feito. Ser capaz de tomar este feedback é fundamental para conter o ego e avançar como um dançarino.

Lembrando-se que não são melhores ou piores do que qualquer outro dançarino na sala.

É tentador ver um dançarino menos experiente como menos, mas tentar ver além do ego e reconhecer que cada pessoa na sala com você tem habilidades diferentes. Você pode ser um gênio entre os médicos, advogados, violinistas de um concerto, contadores e mecânicos de carro. Não seria muito agradável em sua área de conforto se eles tratassem você como um idiota ou ser inferior.

Deixe seu ego reconhecer que, embora esta possa ser a sua casa, eles têm outras habilidades que você pode aprender e outros atributos. Mesmo na pista de dança, se for um dançarino bom, aspire  ser como eles. Se eles tem dificuldades, mas realmente se esforçam, admire sua vontade em aprender algo que para alguns é incrivelmente difícil. Se eles estão fazendo isso por diversão, reconheça que eles têm uma vida rica o suficiente e que este hobby é apenas um divertimento, momento de relaxar … e admire que eles ainda buscam esse tempo para sair e compartilhar esse amor com você.

Um dançarino não é apenas valioso por causa de sua aparente capacidade de dançar. No centro, todos nós somos multifacetados. Eu sou um estudante de direito, técnico de teatro, instrutor de dança e um patinador absolutamente horrível. Estou realmente feliz que ninguém julgue o meu valor em minhas habilidades de patinação, e espero que na dança seja possível colocarmos nosso ego de lado para valorizar outros dançarinos como pessoas.

Se mantivermos nossas mentes despertas, podemos prevenir e reverter a Símdrome do Ego na Dança. Espalhe a palavra e lembre-se:

Continue dançando, seja feliz, e seja humilde

Fonte: http://www.danceplace.com/grapevine/dancer-ego-syndrome-and-how-to-keep-yourself-protected/
Traduzido por: Bruna Lovison

O poder destrutivo e indesejável do feedback na dança social

Às vezes, você simplesmente não conhece sua própria força.

Quer seja solicitado, ou não solicitado, podemos perturbar, descarrilar, ou lentamente fazer desaparecer a confiança de alguém como um dançarino social. Use as frases a seguir como seu guia para manter os dançarinos em torno de você seguros de dano não intencional.

feed

“Eu não posso sentir sua conexão”

 

Por que isso dói

Conduzir é o trabalho do cavalheiro na pista de dança. Dizer a alguém que você não pode sentir sua conexão é como dizer a alguém que é ruim em seu trabalho.

Tente isso em vez disso

Com um sorriso em seu rosto, pergunte a si mesmo: “O que posso fazer para ser mais sensível a esta condução?” Você pode até querer apresentar o desafio ao seu professor durante sua próxima aula ou baile de prática.

Conduzir e ser conduzido é o maior desafio para a dança social. É um desafio se manter sensível e mover-se claramente e por isso que é tão bom para o seu cérebro, e ajuda a desenvolver a confiança. Tomando uma abordagem interna de feedback você protege seu parceiro, e pode melhorar a sua dança neste processo.

“Você precisa treinar como seguir melhor”

 

Por que isso dói

Por todos os motivos listados acima, mas para a dama. É o trabalho delas, elas estão tentando seguir, e querem fazer um ótimo trabalho.

Tente isso em vez disso

A solução para os cavalheiros é um pouco diferente.

1. Nunca repita essas palavras a outra dama.

2. Evite implementar seus padrões de dança mais avançados com novos parceiros. Claro, é impressionante, mas o objetivo é mover-se como uma unidade – não mostrar cada passo que você sabe.

3. Seja mais ousado com seus movimentos. Em 9 vezes de 10, o cavalheiro que é frustrado pela habilidade das damas não está movendo-se claramente bastante.

4. Sorria, agradeça a elas, e lembre-se que elas são um “projeto em andamento”, assim como você.

“Acho que você nunca dançou isso antes”

 

Por que isso dói

Se este fosse um tribunal, o advogado de seu parceiro de dança objetaria com o argumento de que esta é uma suposição de fato não em evidência.

Tente isso em vez disso

1. Dê a si mesmo um lembrete interno, “Esta é provavelmente uma nova dança para eles, ou eles estão realmente nervosos.”

2. Dê-lhes confiança: “Muito obrigado pela dança, me reserve outra mais tarde.”

“Você deve ser novo”

 

Por que isso dói

Esta é outra dessas declarações pretensiosas semelhantes às listadas acima.

Tente isso em vez disso

Esta frase só precisa de mais contexto e encorajamento. Faça esta frase valer para a interação humana, em vez de parecer que você está dando uma nota para a habilidade de dança. Em vez de “você deve ser novo” por si só (ou com uma olhada dos pés à cabeça), tente adicionar:

1. Você deve ser novo … Eu sou parte da organização do baile, bem-vindo!

2. Eu não dancei com você antes, você deve ser novo. Prazer em conhecê-lo!

Pensamento Final

Felizmente, existem professores. Aqueles mestres comunicadores treinados na arte de feedback específico e produtivo. Quando em dúvida, e especialmente quando você não está, peça o feedback ao seu professor.

Aqui está o porquê.

Nós todos compreendemos os perigos sociológicos de perguntas como “eu pareço gorda neste vestido?” Ou “quantos anos você acha que eu tenho?”. Nesses casos, é claro que a pessoa perguntando não está procurando uma avaliação científica e está realmente apenas procurando encorajamento.

O mesmo pode ser dito para perguntas como “o que você pensou sobre minha dança?”

Como um dançarino social realizado é importante que você reconheça a pessoa, e empatize com os desafios que superou para se transformar um dançarino social bacaninha. A pergunta pode ser sobre a dança, mas a resposta precisa ser sobre a pessoa.

Fonte: http://www.arthurmurraylive.com/blog/the-unintended-destructive-power-of-social-dance-feedback
Traduzido e adaptado por: Nany Sene

UTILIZE TRAVAS À PROVA DE IDIOTAS PARA EVOLUIR SUA DANÇA

Mas o que é uma trava a prova de idiotas?

Você já tentou ligar o micro-ondas com a porta aberta? Ou tentou tirar a chave do carro da ignição com o carro em movimento?

Esses são dois exemplos de restrição de comportamento (behavior-shaping constraints do termo técnico), popularmente conhecido como “travas à prova de idiotas”.

Como o nome sugere, essas travas te impedem de agir de forma idiota e garantem o resultado esperado.

Travas à prova de idiotas

Travas à prova de idiotas para dançarinos

Se você quer melhorar sua dança, essas travas são um modelo mental extremamente poderoso. Imagine esse exemplo:

Você quer ser um dançarino melhor. Você sai para dançar cerca de quarto vezes por semana, o que é ótimo!

Mas tem um problema. Sempre que você tem uma dança ruim, você fica tão envergonhado que imediatamente entra no seu carro e vai pra casa. Algumas noites isso acontece após a primeira dança da noite! O que fazer?

Existem algumas travas que você pode considerar. Mas, primeiro, qual é o objetivo principal dessa trava? Queremos ser capazes de ficar, pelo menos, duas horas em cada noite de dança.

Qual é a ação que evitamos com essa trava? Não queremos fugir do baile logo após ter uma dança ruim. Certo, vamos ao “toró de parpite” (brainstorming) então:

  • Não vá de carro para o baile, ao invés disso, vá de Uber, de carona com alguém ou de transporte público.
  • Dê a um amigo R$ 100 quando você chegar no baile e diga que se você for embora antes de tal horário, ele pode ficar com o dinheiro.
  • Prometa a um amigo que dará carona a ele ao fim da noite.
  • Vire dois shots de Jose Cuervo antes de começar a dançar.
  • E por aí vai…

Pense um pouco e considere essas opções (e outras que você tiver pensado). Qual delas trava melhor o efeito positivo enquanto nega o efeito negativo?

Não ir de carro evita que você entre no seu carro imediatamente e fuja, mas mesmo sem carro existem outras formas de fugir imediatamente. Não vale a pena.

Prometer uma carona para algum amigo é uma boa se você tem algum amigo que fica até o final. Mas as travas devem exister 100% do tempo, não as vezes. Não adianta.

Virar dois shots de Jose Cuervo significa que você não poderá ir embora de carro antes de algumas horas (valeu Lei Seca!). Mas não te impede de ir embora sem seu carro, além de o álcool afetar sua dança. Melhor não.

O que sobra a ideia de dar R$ 100 a um amigo. A parte positiva é que pode ser qualquer amigo que você confia, o que você deve ter pelo menos um por baile.

Se ele for embora, você pode transferir a responsabilidade para outro amigo. Esse método ainda te faz gastar menos dinheiro com álcool no baile, já que seu dinheiro está com alguém. Legal.

Mas você ainda precisa, ativamente, dar R$ 100 pra alguém todo baile. A trava é testada toda vez. Seria melhor se fosse uma trava eterna que, assim que ligada, funcionasse pra sempre. Mas dentre as opções, essa é a minha favorita.

A trava à prova de idiotas funcionando

A trava de R$ 100 se baseia no fato que R$ 100 é bastante dinheiro. Se pra você essa quantia é irrelevante, aumente esse valor. Assim que começar a executá-lo, esse será o panorama:

Você chega no baile. Encontra seu amigo confiável e passa pra ele uma nota de Peixe. Na sua primeira dança você pisa no pé do seu parceiro e escuta um grito alto. Você se sente terrível e decide ir pra casa. DROGA!

Você já pagou R$ 20 pra entrar no baile e agora está prestes a perder mais R$ 100 se for embora. O que você faz?

Você decide então  ir lá fora respirar um pouco. Depois de 10 minutos, seu amigo te vê lá fora, vai até você e começam a conversar. Ele te chama pra dançar, você diz que não, ele insiste, você aceita pra não fazer desfeita. Aí você tem uma dança excelente.

Esse é apenas um exemplo. O aprendizado de tudo isso é que você pode desenhar um sistema que trave o comportamento que você quer evitar na sua dança, seja ele qual for.

Pode ser algum problema de execução ou, como comentamos aqui, algo sobre motivação ou timidez.

Você tem algum exemplo de trava à prova de idiotas que você usa para te impedir de fazer algo que você não quer, ou pra melhorar a sua dança?

Poste nos comentários. Adoraríamos ouví-las.

Link: http://latindancecommunity.com/use-forcing-functions-to-become-a-better-dancer/
Traduzido por: Lucas

As 5 vantagens de aprender a dançar sozinho.

Há momentos em que a paciência é uma virtude, e momentos em que você tem que continuar caminhando. Se você tem esperado alguém para aprender com você, ou você está apenas procurando o seu ponto de entrada para este hobby divertido e saudável – é hora de tornar as coisas muito claras.

Aprender a dançar sozinho tem algumas grandes vantagens. Aqui estão 5.

dançando sozinho

  1. Seu próprio ritmo

Imagine que você, e todo o seu escritório, contratou um personal trainer. Pode parecer para você e seus colegas que todos entrarem em forma juntos seja algo legal, mas você estaria condenado a alcançar uma meta média, em vez de uma específica para você.

Vantagem: Aprender sozinho permite que você trabalhe em sua jornada de dança em um ritmo que é específico para você e seu estilo de aprendizagem.

  1. Sua Própria Função

Na dança social, você está se concentrando em ser um líder ou um seguidor. Muito parecido com ataque e defesa no futebol, cada papel tem suas próprias habilidades específicas para fazê-lo funcionar. Adicionar outra pessoa / papel à lição divide o foco no desenvolvimento desse papel.

Vantagem: Aprender sozinho permite que você se concentre em seu papel específico na dança social.

  1. Passatempo pessoal

Dança Social pode ser apreciado como um hobby, com ou sem um parceiro. Em alguns casos, há aqueles com cônjuges que não gostam da ideia de dançar, e podem nunca querer, mas têm a abundância dos passatempos do seus próprios. Um hobby nem sempre tem de ser uma atividade compartilhada, assim como um estilo favorito de filme ou comida. Pode ser uma preferência pessoal.

Vantagem: Hobbies não têm de ser atividades compartilhadas.

  1. Exercício

Os tipos de aulas mais ativos são aqueles em que o professor está dançando e ensinando os alunos um a um. Há menos paradas na ação, e o profissional garantirá que está sempre forçando o aluno a sair da zona de conforto.

Vantagem: Aprender sozinho oferece os melhores resultados de fitness possíveis com a dança.

  1. Motivação

Vamos dizer que você está interessado em aprender, mas seu cônjuge não. Nada vai motivar um cônjuge resistente a dançar mais do que se a outra metade começa a tomar aulas. É a melhor maneira de chamar o seu blefe, para mostrar-lhes que não é apenas uma ideia caprichosa, e que você está perfeitamente disposto a ir sozinho, se necessário.

Vantagem: Começar por conta própria pode ser a melhor maneira de motivar um parceiro de dança hesitante e potencial.

Pensamento Final

A dança de salão pode ter nomes diferentes – dança social, dança do toque, ou dança esportiva – mas o nome que pode mexer com a sua cabeça é “dança a dois”.

É fácil supor que isso requer um parceiro para começar aulas de dança. E isso não é verdade.

Atletas começam a aprender suas habilidades antes de entrarem em uma equipe.

A maioria dos cantores começa a cantar muito antes de se juntar a uma banda.

Então, por que a dança deveria ser diferente? Um grande dançarino vai aprender a dançar, e depois escolher ter um parceiro de dança. Sem parceiro, Sem problema. Seu hobby está esperando por você, e você esperou por tempo suficiente.

Traduzido por: Marcel Cortinovis

Fonte: http://www.arthurmurraylive.com/blog/5-advantages-to-learning-how-to-dance-on-your-own

O mito de “aprender no baile”: Por que fazer aulas é tão importante

Eu conheci diversas pessoas que acreditam que é possível aprender a dançar somente indo aos bailes. Eu costumava ser uma dessas pessoas. Está certo que eu nunca fui aquela pessoa que diz “eu vi no YouTube e aprendi”, mas eu costumava dizer “eu não preciso aprender a dançar, no baile os caras me conduzem”

Pra ser sincera, por muito tempo eu acreditei que isso funcionava, mas descobri mais tarde que a única pessoa a quem eu estava enganando era eu mesma. Quem realmente sabia dançar via que me faltavam muitos conceitos básicos.

Spoiler: se você realmente quer aprender a dançar algo, você precisa fazer aulas e treinar. É assim que funciona.

baile conexão

Vamos primeiro definir “saber dançar”. Para mim, saber dançar significa que a pessoa entende e aprecia a técnica e a estrutura da arte que está executando. Não significa, portanto, uma aproximação grosseira de alguns passos básicos que faz a pessoa sobreviver nos bailes. Isso, pra mim, é não saber dançar. Isso é uma pessoa que simplesmente quer sair, socializar e mexer o corpo. Talvez ela esteja até tentando parecer sensual ou atrativa. E não há absolutamente nada de errado com isso, mas é importante saber discernir quando alguém realmente sabe dançar e quando não.

Eu não tenho problema algum com as diferentes pessoas que frequentam os bailes, contanto que eles não coloquem em risco o bem estar alheio. Entretanto, eu conheci várias pessoas que se auto-declaravam como dançarinos quando, na verdade, eles nunca tentaram ser um. É para essas pessoas que fiz esse artigo.

Me usando de exemplo, eu consigo sobreviver a um baile de Kizomba. Ou até de Gafieira, Salsa, Bachata, etc, mas eu nunca diria que eu sei dançar esses ritmos. Eu só me viro. Por que? Porque eu nunca treinei eles de verdade. Se algum dançarino desses ritmos me vir dançando, com certeza perceberá que eu não sei dançar esses ritmos.

Mas pra alguém que só sai pra dançar esporadicamente, pode parecer que eu sou uma excelente dançarina (pelo menos é o que me dizem) desses ritmos simplesmente porque eu sei como me mexer.

Aí que mora o perigo.

Se eu não conhecesse meus limites, seria fácil assumir que eu realmente sou uma dançarina desses ritmos simplesmente porque me disseram que eu danço bem. Eu poderia dizer que “aprendi no baile” e possuo um dom natural que me faz não precisar de aulas. Mas existem vários riscos atrelados a não fazer aulas e “aprender” no baile.

Ferimentos

Esse é o principal. Não fazer aulas faz com que a chance de você ou seu parceiro se machucarem seja consideravelmente mais alta.

Meu ritmo favorito é Zouk, porque pra mim ele é o mais divertido e bonito, mas é também o mais provável de causar algum acidente se você não aprendeu direito. Por que? Porque ele tem algo que nenhuma outra dança tem, movimentos excessivos de cabeça.

Eu me preocupo toda vez que alguém aparece no Zouk dizendo que é “fácil” e já começa com movimentações de cabeça. Já conheci diversas pessoas que pararam de dançar porque machucaram o pescoço ou as costas por tentar fazer um movimento sem entender a mecânica por trás. O pior de tudo é que 95% desses “acidentes” seriam evitados se as pessoas soubessem como proteger sua dança.

Se pelo menos as damas soubessem que não devem colocar o peso do cambrê na lombar.

Se pelo menos o movimento fosse executado pelo tronco e não pelo pescoço.

Se pelo menos eles soubessem que alguns movimentos não são improvisos mas sim conduzidos.

Se pelo menos as damas soubessem como compensar uma condução brusca demais.

Se pelo menos os cavalheiros soubessem que não devem conduzir o cambrê pra trás, mas sim para baixo.

Se pelo menos os cavalheiros não interrompessem o movimento do tronco da dama.

Se pelo menos os cavalheiros conseguissem compensar uma dama ausente.

Se pelo menos os cavalheiros soubessem que a condução pode ser sutil.

São vários “se pelo menos”. Mesmo que você faça apenas aulas esporádicas de vez em quando, ou só pergunte para algum professor quando algo está estranho, mas faça um esforço para aprender decentemente antes de executar algum movimento. Se um movimento parece arriscado, não o execute até você tê-lo aprendido de verdade. Se as vezes dói quando você faz algum movimento, PARE de fazê-lo, e pergunte a alguém antes de fazê-lo novamente. Sem exceções.

Além disso, aquele momento no baile que um cara aleatório quer te mostrar o jeito certo de fazer aquele movimento muito louco não conta como uma aula.

 

Péssimos hábitos

Aprenda certo da primeira vez. É muito mais difícil aprender algo depois que você já construiu uma convicção de que o que você faz está certo, mesmo estando errado. Meus alunos preferidos são aqueles que entram sem saber nada. Eu não ligo que eles tenham dois pés esquerdos. Eu não ligo se eles nunca nem tentaram dançar na vida. Dê-me iniciantes em branco e eu garanto que eles aprenderão da forma correta.

Agora, me dê alguém que já pensa que sabe dançar porque aprendeu nos bailes da vida, que meu trabalho será mais difícil, por diversos motivos.

  • A – Péssimos hábitos.
  • B – Eles acham que já sabem aquilo, mesmo sabendo errado, e não querem ter que aprender de novo.
  • C – Mesmo que eles aprendam a forma certa de se fazer, quando vão aos bailes é muito provável que entrem no automático e voltem a fazer tudo errado.

Acredite, eu mesma frequentei bailes durante um ano antes de começar a fazer aulas. O tempo que eu gastei só para desaprender os péssimos hábitos que eu tinha foi gigantesco. Eu, sinceramente, gostaria de ter decidido fazer aulas logo de cara. Teria me poupado muito tempo.

Falta de crescimento

Mesmo quando se treina bastante às vezes você sente que não está mais evoluindo. Quando você não treina, a sensação é muito pior. Até que você chega ao limite que nenhum talento consegue te salvar da sua completa falta de técnica. As vezes, eu vejo pessoas extremamente criativas que eu adoraria que fizessem aulas básicas para estabelecer sua técnica básica. Elas possuem tanto talento. São pessoas que poderiam ser as melhores da comunidade delas em pouquíssimo tempo, se elas estivessem dispostas a aprender as bases técnicas como deveriam. Por outro lado, existem pessoas que treinam tanto, mas tanto, que eventualmente acabam se tornando melhores que essas pessoas talentosas simplesmente por terem acreditado no seu potencial e vencido suas próprias dificuldades.

Existem também as pessoas que ficam frustradas por não conseguirem melhorar e acabam desistindo. Ou se inscrevem em um evento e assumem que conseguirão acompanhar o nível dos workshops e acabam frustrados porque eles não tem a base técnica que os permitiria aprender aqueles passos. Aí, achando que eles não conseguem ou que chegaram a um limite de aprendizado, eles desistem.

Nunca saberem o que falta a eles

Existe uma escola do pensamento que diz que, quanto melhor você for em algo, mais você consegue apreciar quando alguém faz algo excepcional nesse campo. A dança não é exceção. Se uma pessoa dança apenas casualmente as chances dela apreciar uma boa conexão com seu parceiro são bem mais limitadas. Quanto mais você aprende, mais você consegue apreciar uma boa dança no baile.

Eu nunca vou esquecer quando um dos meus alunos mais recentes (que por sinal está se matando para aprender a dançar) me disse “é engraçado como agora eu percebo quando uma pessoa está fazendo algo tão simples de forma errada e ela nem sabe disso. Se ela soubesse que é extremamente simples corrigir isso!”.

Sem fazer aulas essa pessoa nunca saberá que essas coisas simples estão erradas. Apesar disso, agora meu aluno pode lhe oferecer uma experiência melhor de dança, visto que ele sabe onde a pessoa está errando e consegue compensar esse erro para a pessoa.

Mas e se eu não tiver onde fazer aula por perto?

Isso é horrível, eu sei como é. Não ter acesso a dinheiro, por exemplo, foi um os motivos que me fez não fazer aulas desde o começo.

Se não tem nenhum lugar onde você possa fazer aula perto de você, eu sugiro que você invista em uma viagem para um local que tenha excelentes professores. Se você não consegue pagar por isso, então a próxima opção é fazer aulas via Skype ou de alguma outra forma online, com um excelente professor. Não é o ideal, mas definitivamente é melhor que o YouTube. Esses professores vão te ajudar a entender o que está errado na sua dança.

Alguns professores costumam vender vídeo aulas. Novamente, não é o ideal, mas pelo menos é melhor do que não treinar e acabar se machucando na hora da dança.

Se você tem acesso a bons professores mas não tem dinheiro, converse com alguns deles sobre ser bolsista na escola ou ajudar de alguma forma. Sempre há vagas para pessoas interessadas.

 

Fonte: http://www.danceplace.com/grapevine/the-myth-of-learning-by-social-dancing-why-lessons-are-important/
Traduzido por: Lucas Esteves

Quanto tempo até eu ser um bom dançarino de West Coast Swing?

Esta é a pergunta mais comum que recebemos de estudantes.

Você já esteve em uma aula, olhou em volta para todos que parecem ser basicamente profissionais e o que estão fazendo, e ainda assim tem dificuldade pra mover um pé na frente de outro?

É a sensação de sermos a única pessoa com dificuldades, o que pode levar você a se sentir um pouco excluído.

A verdade é que você definitivamente não está sozinho! Inclusive as pessoas que você está admirando estão com dificuldade com aspectos da dança tanto quanto você.

Então vamos ser realistas sobre cada passo da sua jornada de West Coast Swing.

Note que cada progresso é único mas aqui temos um mapa geral que é visto em estudantes pelo mundo.

aprendendo west coast

O QUE VOCÊ PODE ESPERAR DEPOIS DE SUA PRIMEIRA AULA

Você vai aprender 2-4 movimentos, e apesar do fato que você conseguiu fazer esses movimentos funcionarem em sala de aula você terá dificuldade sem ser dirigido pelo seu professor. Tudo é novidade mas você ainda se divertirá.

Os aspectos mais desafiadores são:

Os pés: se acostumar com os triple steps.

O movimento: o mover juntos o cavalheiro para traz e a dama para frente no começo de cada passo.

O ritmo da dança: se você nunca dançou nada isso não será tão problemático, porém, se você vem de outro dança será difícil se acostumar com um ritmo de 6 tempos.

Você pode se sentir confiante ou fora da sua alçada e tudo bem pois você está ainda a duas ou três semanas de se sentir confortável.

O QUE ESPERAR DEPOIS DE QUATRO SEMANAS

Entre a terceira e quarta aula ocorre o momento onde você deixa de estar confuso para realmente ser capaz de fazer essa dança.

Dependendo dos seus professores você irá aprender 12-16 movimentos, e você será capaz de realizar metade deles confortavelmente (significando que nesse ponto você começou a realmente se sentir dançando West Coast Swing). Sim definitivamente haverão movimentos que você não conseguirá e outros que parecerão um grande mistério, mas você provavelmente já estará dançando socialmente.

Lembrando: você não terá uma técnica perfeita em seus movimentos, mas estará começando a realmente parecer com um dançarino de West Coast Swing. Estará dançando socialmente e se sentindo BEM mais confiante.

Suas maiores dificuldades nesse ponto provavelmente serão:

Os pés: ainda se acostumando com os triples steps.

A conexão: começando a pensar em sentir seu parceiro.

O tempo: ficar sempre na batida.

O progresso feito entre a primeira é quarta aula é realmente perceptível.

O QUE ESPERAR DEPOIS DE 4 AULAS MAIS PEQUENOS TREINOS DIÁRIOS DE TRIPLES STEPS

Sim, os pés são consideravelmente uma das partes mais difíceis do West Coast Swing até para pessoas que já estão nessa dança faz muito tempo.

Simplesmente pegando 90 segundos todos os dias para fazer um treino rápido da contagem de 6 tempos você irá progredir rapidamente e, deixando esse movimento na sua memória muscular ficará confortável muito rápido.

Assim, você vai se sentir bem mais confortável nas pisadas e em aula os movimentos fluem mais por não estar mais pensando nos seus pés.

O QUE ESPERAR DEPOIS DE 12 AULAS

Após 12 aulas você vai estar aparentando muito mais ser um dançarino de West Coast. Sua confiança está melhor e cada vez que entrar na pista fará as coisas de forma melhor.

As sequências em aula não são mais um problema e você está focando em como você está fazendo os movimentos ao invés de apenas como eles são. Ainda terá dificuldade em aulas de nível mais alto mas sua dança social estará bem melhor e você realmente se divertirá enquanto dança.

Suas maiores dificuldades nesse ponto provavelmente serão:

Conexão: pensará em como o parceiro está sentindo e como usar isso para criar movimentos.

Estilo: começará a experimentar estilos da dança.

Musicalidade: começará a experimentar acertar viradas da música e interpretar mais a música.

Nesse estágio já está aparentando ser um dançarino de West Coast Swing.

O QUE ESPERAR DEPOIS DE UM ANO

Com um ano de aula você provavelmente será um dos mais fortes alunos da sala.

Estará mais confortável com os básicos embora ainda tenha dificuldade com alguns movimento de aulas mais avançadas. Seu corpo já se adaptou a dança e os movimentos básico são naturais agora. É nesse ponto que você consegue fazer os movimentos e está tentando fazê-los cada vez melhor.

Estará se sentindo confortável com estilos começando a criar seus próprios movimentos na dança.

Você começará a ser desafiado com sequências mais complexas estilos e técnicas daí começa a ficar sério, ter aulas particulares, participar de grandes eventos e até competir.

Suas maiores dificuldades nesse ponto provavelmente serão:

Técnicas: como fazer seu básico ficar muito bom sem estilos excessivos.

Movimentos avançados de pés: se preocupar em novas dimensões pra dança e sincopar seus passos.

Maus hábitos: nesse ponto você deve ter diversos hábitos ruins e estará tentando se livrar deles.

QUANTO TEMPO ATÉ SER TÃO BOM QUANTO MEUS PROFESSORES

É uma ótima pergunta, muitos professores não apenas tem muitos anos de experiência mas tem muitos anos de treinamento.

Na verdade depois de três anos de West Coast Swing você deve estar ficando muito bom e até criando próprias técnicas então são necessários apenas alguns anos com muita prática.

E DE AGORA EM DIANTE

Se você está começando agora fique confortável com o fato de que vai ter dificuldades. Literalmente TODOS passam por essas fases.

Sua trajetória não é algo que você precisa se preocupar tanto. Confie em seus professores.

Não se preocupe com o material das aulas, se concentre no que está trabalhando naquele momento e nada mais.

Fazendo isso se divertirá muito e terá um progresso muito rápido.

Traduzido por: Danilo Saraiva
Fonte: https://www.swingcitywcs.com/how-long-until-im-a-good-west-coast-swing-dancer/