Tag Archives: dançarino

5 TIPOS DE DANÇARINOS PERIGOSOS

ESCRITO POR : LAURA RIVA – LINK ORIGINAL : CLIQUE AQUI


Todos nós já dançamos com pelo menos 1 pessoa. Se estivermos dançando há algum tempo, provavelmente várias. Mas, uma coisa que muitas pessoas não fazem uma pausa para considerar é:

Nós somos os dançarinos perigosos que todo mundo fala sobre?

É importante notar que nunca conheci um dançarino que esteja ativamente procurando machucar ou pôr em perigo seu parceiro. Eu não acho que alguém saia para dançar e pense: “Como eu posso causar danos a essa pessoa hoje?” Caso contrário, eu provavelmente não dançaria dança de salão

Há também alguns “tipos” de dançarinos perigosos. Alguns dançarinos perigosos podem mesmo ser realmente bons parceiros quando as condições são certas – mas quando as condições falham, todo o inferno se solta.

Tipo 1: Aquele que acha que está fazendo as coisas certas.

 

Quem são: Este é o tipo de dançarino perigoso que pensamos com maior frequência. Este é o dançarino que puxa seu parceiro, se joga para o parceiro segurar ou, de outra forma, “força” os movimentos do parceiro.

Eles são como o motorista na estrada que nunca pensam que vão entrar em um acidente porque são “Bons motoristas”, então eles agem no limiar da segurança, pensando que eles podem “lidar com isso”.

De onde vem isso:

  • Condução de mais,condução franca ou condução pelo braço.
  • Falta de conexão e consciência do corpo do parceiro.

Como eles são perigosos: Estes geralmente são mais propensos a ferir um parceiro através da força. É aqui que os ombros esticados e as costas curvadas são mais freqüentes. Independente se a “culpa” é colocada no parceiro ou não, a confiança do dançarino em sua própria habilidades é o que causa esse risco.

Você pode ser esse tipo de dançarino se:

  • Se acha que está fazendo isso 100% certo, ou se você se recusa a treinar
  • Você presume que como o movimento não deu certo você, deve liderar ou seguir com mais “força”
  • Você assume que, porque um movimento não funcionou, é culpa do seu parceiro
  • Você assume que a liderança acontece “fazendo” o seguidor ir para algum lugar
  • Você assume que todos os parceiros vão te segurar se você se jogar num deep ou cambré.
  • Você aprende ‘coisas legais’ do YouTube – e não faz nenhum treinamento formal.
  • Seu líder permanece apenas em movimentos muito básicos, mesmo que você ache que pode fazer mais
  • O seu seguidor fica adicionando resistência à conexão, desacelerando os movimentos ou  até abortando alguns movimentos
  • Vocês tem seus convites frequentemente rejeitados
  • Muitas pessoas parecem contar-lhe sobre “lesões” que elas têm – e pedem para que a dança seja suave e gentil

 

Como você pode corrigi-lo: Pratique suas habilidades de conexão e aprenda a sentir quando seu parceiro não está no movimento com você. Se você é líder, experimente liderar com menos força e menos movimentos de braço. Se você é um seguidor, controle seus movimentos de deep e cambre e aproveite seu tempo para entender a liderança.

Tipo 2: Aquele que acelera

Quem são: Estes dançarinos adoram músicas rápidas – mesmo em movimentos super complexos. Eles tendem a esquecer de respirar e esperar por seu parceiro

Eles são como o motorista que vai 160 km na rodovia. Enquanto as condições forem boas e não houver outros motoristas, tudo é bom. Então, algo dá errado – e o que poderia ter sido um resultado não tão ruim pode ser catastrófico.

De onde vem isso :

  • Aceleração
  • Falta de conexão e conhecimento do corpo do seu par

Como eles são perigosos: Normalmente, essas lesões acontecem por causa de uma pequena coisa que deu errada. Por exemplo, não deixando um movimento de cabeça terminar antes de trazer de volta, ou iniciar um novo movimento sem aguardar o fim do primeiro. Em velocidades lentas, esses pequenos acontecimentos não causam muito dano – mas o momento pode causar maiores chances de lesões.

Você pode ser esse tipo de dançarino se:

  • Você sente a necessidade de acertar tudo na música – independentemente do parceiro
  • Você não ajusta o nível de sua dança baseado na velocidade da música
  • Você tem o hábito de não terminar os movimentos
  • Você dança rápido, mas às vezes não toma tempo para saber onde o corpo do seu parceiro está
  • Você costuma antecipar movimentos (seguidores)
  • Suas danças são melhor descritas como “desafiadoras” – muitas coisas legais, mas nenhuma sala de respiração

Como você pode corrigi-lo: Pratique suas habilidades de conexão e aprenda a sentir quando seu parceiro não está no movimento com você. Se você é líder, experimente uma câmera lenta para encontrar soluços na sua conexão. Se você é um seguidor, pratique a espera. É bem provável que, você está começando um movimento antes que seu parceiro.

Tipo 3: Aquele que é totalmente desligado.

Quem são: Este dançarino pode ter uma ótima conexão com seu parceiro – mas eles não tem idéia do que está acontecendo ao seu redor. Eles estão tão concentrados em seu parceiro, eles esquecem da pista de dança. Isso significa que choques acidentais e colisões são bastante frequentes.

Isto é como o motorista que muda de faixa sem verificar seu ponto cego, ou simplesmente não viu que o carro parou na frente. Eles podem ser um ótimo motorista quando não há mais ninguém – mas se tornam um risco assim que eles têm que lidar com outros corpos.

De onde vem isso:

  • Falta de consciência e de habilidade de chão

Como eles são perigosos:  Estas são geralmente lesões indiretas. Basicamente, eles irão ferir o parceiro de outra pessoa trombando com outro casal, ou irão ferir seu parceiro porque o jogou em outro casal. Às vezes, pode até ser desatenção de um outro casal desatento – o que nos leva a dois casais onde ambos perceberam tarde demais para que iria ocorrer uma colisão.

Você pode ser esse tipo de dançarino, se:

  • Você percebe que freqüentemente atinge outros casais
  • Você percebe que freqüentemente é atingido por outros casais
  • Você nunca ouviu falar de “dançar pelo chão”

Como você pode corrigi-lo: Aprenda trabalho de chão, tente dançar em espaços pequenos, tente prestar atenção onde os outros casais estão enquanto você dança. Isso requer treino, você pode se tornar atento. Mesmo que isso exija ir mais devagar ou ajustar sua dança, coloque como prioridade ter certeza que você tem espaço para executar o movimento. Aprenda como abortar o movimento se alguém aparecer invadindo sua linha loucamente.

Tipo 4: Aquele que fica nervoso

Quem são: Os nervos podem tirar o melhor de qualquer um – mas os dançarinos nervosos podem sofrer de um nervosismo que realmente os tornam perigosos! Estas são as pessoas que estão tão convencidas de que não podem fazer algo certo que adivinham todos os movimentos. Ao invés de seguir, eles vão sobre-corrigir ou alterar de repente. É como o motorista que percebe que esta a deriva, então supera o carro na outra pista.

De onde vem isso :

  • Nervos
  • Falta de confiança na sua própria habilidade

Como eles são perigosos: Eles tendem a machucar os outros, porque eles espontaneamente levam o movimento para uma nova direção, ou eles usam muito esforço para serem “claros” numa liderança ou “claros” numa condução. Normalmente, existe uma sensação de ‘para e anda” que deixa o movimento o inicio e o fim do dos movimentos muito grosseiro.

Você pode ser um desses dançarinos, se:

  • Você fica muito nervoso
  • Você surta, e muda de ideia no meio de movimentos com frequência
  • Você tem a tendência em manter a conexão muito apertada ou em exagerar momentos.

Como você pode corrigi-lo: Respire. Se precisa ir devagar, vá devagar. Flua pelo seus movimentos. Treine. Você vai eventualmente superar isso, mas enquanto isso você tem que relaxar, para manter o controle do que está fazendo.

Tipo 5: O Bebado

Quem são : É qualquer pessoa que esteja bêbada. Assim como um motorista bêbado, não é uma boa ideia.

De onde vem isso:

  • Álcool e drogas

Como eles são perigosos: Baixa inibição, uma opinião muito boa sobre sua dança, e um péssimo controle motor criando uma cocktail de machucados. Tudo de todos os outros tipos (Exceto nervoso talvez) surgem aqui. Além de provavelmente não serem capaz de entender a reação de seus parceiros.

Você pode ser um desses dançarinos, se:

  • Você fica bêbado, ou realmente embriagado

Como você pode corrigi-lo: Beba menos, controle o quanto bebe ou abstenha de beber até terminar de dançar. Não há desculpa para criar uma situação perigosa só porque você queria “tomar umas”.

Estou preocupado que eu possa ser um dançarino perigoso, como posso saber?

Pergunte! Seus professores devem ter essa resposta – especialmente se eles conduzem ou são conduzidos por você. Se um professor não é uma opção pergunte a dançarinos mais avançados. Se eles souberem que você está aberto a receber o feedback, Eles provavelmente vão te dar feedbacks discretos, tipo:

  • “Bem, às vezes você é um pouco brusco”
  • “É desafiador dançar com você às vezes”
  • “Eu preciso estar bem para conseguir te acompanhar”
  • “Você desloca muito”
  • “Eu as vezes fico meio confuso quando estamos dançando”

Geralmente, as pessoas “pegam leve” nos comentários para evitar ofender você. Se você receber feedback como este regularmente, você pode ser um dançarino perigoso que precisa ajustar algumas coisas que você está fazendo. Se você é um dançarino perigoso, não achamos que você é uma pessoa ruim! Nós só queremos que você conserte essas coisas para que seja mais fácil dançar com você!

Ao pedir feedback, tenha em mente que os iniciantes geralmente são um indicador mais fraco de saber se você é ou não perigoso. Enquanto eles são os mais propensos a se machucar, eles também são mais propensos a confundir “áspero” com “forte” e “rápido” para “bom”. Eles sabem que são dançarinos mais “fracos”, então eles estão simplesmente tentando ‘acompanhar’ seu nível, e talvez não percebam que existem comportamentos perigosos.

Se você está dançando com um dançarino perigoso e você não acha que pode se proteger, diga algo. Você pode ser legal, mas deixe-os saber! Eu fiz isso também – e às vezes funciona muito bem. Não vale a pena se machucar..

Fiquem seguros, amados dançarinos!

 

FONTE: http://www.danceplace.com/grapevine/the-types-of-dangerous-dancers/
TRADUZIDO E ADAPTADO POR: Marcel Cortinovis

As 5 vantagens de aprender a dançar sozinho.

Há momentos em que a paciência é uma virtude, e momentos em que você tem que continuar caminhando. Se você tem esperado alguém para aprender com você, ou você está apenas procurando o seu ponto de entrada para este hobby divertido e saudável – é hora de tornar as coisas muito claras.

Aprender a dançar sozinho tem algumas grandes vantagens. Aqui estão 5.

dançando sozinho

  1. Seu próprio ritmo

Imagine que você, e todo o seu escritório, contratou um personal trainer. Pode parecer para você e seus colegas que todos entrarem em forma juntos seja algo legal, mas você estaria condenado a alcançar uma meta média, em vez de uma específica para você.

Vantagem: Aprender sozinho permite que você trabalhe em sua jornada de dança em um ritmo que é específico para você e seu estilo de aprendizagem.

  1. Sua Própria Função

Na dança social, você está se concentrando em ser um líder ou um seguidor. Muito parecido com ataque e defesa no futebol, cada papel tem suas próprias habilidades específicas para fazê-lo funcionar. Adicionar outra pessoa / papel à lição divide o foco no desenvolvimento desse papel.

Vantagem: Aprender sozinho permite que você se concentre em seu papel específico na dança social.

  1. Passatempo pessoal

Dança Social pode ser apreciado como um hobby, com ou sem um parceiro. Em alguns casos, há aqueles com cônjuges que não gostam da ideia de dançar, e podem nunca querer, mas têm a abundância dos passatempos do seus próprios. Um hobby nem sempre tem de ser uma atividade compartilhada, assim como um estilo favorito de filme ou comida. Pode ser uma preferência pessoal.

Vantagem: Hobbies não têm de ser atividades compartilhadas.

  1. Exercício

Os tipos de aulas mais ativos são aqueles em que o professor está dançando e ensinando os alunos um a um. Há menos paradas na ação, e o profissional garantirá que está sempre forçando o aluno a sair da zona de conforto.

Vantagem: Aprender sozinho oferece os melhores resultados de fitness possíveis com a dança.

  1. Motivação

Vamos dizer que você está interessado em aprender, mas seu cônjuge não. Nada vai motivar um cônjuge resistente a dançar mais do que se a outra metade começa a tomar aulas. É a melhor maneira de chamar o seu blefe, para mostrar-lhes que não é apenas uma ideia caprichosa, e que você está perfeitamente disposto a ir sozinho, se necessário.

Vantagem: Começar por conta própria pode ser a melhor maneira de motivar um parceiro de dança hesitante e potencial.

Pensamento Final

A dança de salão pode ter nomes diferentes – dança social, dança do toque, ou dança esportiva – mas o nome que pode mexer com a sua cabeça é “dança a dois”.

É fácil supor que isso requer um parceiro para começar aulas de dança. E isso não é verdade.

Atletas começam a aprender suas habilidades antes de entrarem em uma equipe.

A maioria dos cantores começa a cantar muito antes de se juntar a uma banda.

Então, por que a dança deveria ser diferente? Um grande dançarino vai aprender a dançar, e depois escolher ter um parceiro de dança. Sem parceiro, Sem problema. Seu hobby está esperando por você, e você esperou por tempo suficiente.

Traduzido por: Marcel Cortinovis

Fonte: http://www.arthurmurraylive.com/blog/5-advantages-to-learning-how-to-dance-on-your-own

O dançarino “não tão” social

Todos conhecemos o dançarino “não tão” social. Ele vai aos bailes e basicamente fica a noite toda dançando com uma pessoa.

É compreensível se eles estiverem em um encontro romântico.

Mas as vezes é um dançarino muito bom que simplesmente não quer dançar com mais ninguém porque… bom, ninguém mais ali “vale a pena dançar”.

Banner dançarino

Eu já fui essa pessoa. Frequentemente eu escutava “Eu não quero dançar com ninguém mais aqui” ecoando na minha cabeça constantemente, e esse raciocínio é sempre baseado no nível de habilidade médio do baile.

Mas aí eu parei para pensar em qual mensagem eu passava para o resto da comunidade com essa atitude de manter todos longe da minha dança.

Eu percebi que a mensagem que eu passava era: Eu não quero mais fazer parte dessa comunidade que me fez ser o dançarino que eu sou hoje.

Todos dependemos de boas danças para praticar e evoluir nossas habilidades, mas nós ficamos cada vez melhores quando dançamos com pessoas de TODOS os níveis de dança (mesmo iniciantes).

Nesse momento, existe uma infinidade de pessoas frustradas por não conseguirem sair do intermediário (ou do iniciante, caso mais comum aqui no Brasil).

Eles têm grande dificuldade de desenvolver todo seu potencial porque os dançarinos mais habilidosos, muitas vezes, nem olham na cara deles.

Isso cria uma barreira que impede o crescimento, tanto dos dançarinos quanto da comunidade local. Dançarinos que não são desafiados constantemente, não crescem.

Eventualmente eles vão embora, desistem ou mudam para algum outro ritmo.

E, normalmente, são as pessoas com o maior potencial que passam por isso.

Bons dançarinos, por favor, lembrem-se disso: Houve um momento que ninguém queria dançar com você.

Uma época que as pessoas dançavam com você mesmo sabendo que tinham pessoas muito melhores no baile para se dançar com.

Uma época que os outros desejavam secretamente que você treinasse e melhorasse porque sua dança era muito ruim.

E ainda assim, as pessoas dançavam com você, mesmo quando elas não eram obrigadas ou queriam.

Façamos com que esse seja um convite para que os dançarinos “não tão” sociais retornem à comunidade que os criou. Participem das práticas e bailes ativamente.

Esforcem-se para conhecer as pessoas no local. Socializem um pouco, especialmente em bailes menores. Dancem com pessoas que vocês ainda não conheçam.

Tentem identificar quem são as pessoas com grande potencial e as ajude a percorrer esse árduo caminho da dança, como provavelmente alguém fez por vocês anos atrás.

Infelizmente, é muito triste ter pessoas no baile que pensam que ninguém ali é bom o suficiente para se dançar com (ou ficam secretamente tirando sarro das pessoas presentes).

Precisamos de pessoas que liderem as comunidades e que sejam positivas e contribuam para o crescimento de todos. A dança é sempre uma questão de conexão… e vale muito apena se manter conectado à comunidade que te fez quem é hoje.

Fonte: https://karenkaye.net/2016/05/18/the-not-quite-social-dancer/
Traduzido e adaptado por: Lucas Esteves